Entrega de premiação de Matemática sem Fronteiras, Canguru e OBA/MOBFOG

Como parte do processo de formação do aluno integral, o Colégio Cruzeiro incentiva a participação dos estudantes em diversas atividades e eventos esportivos, culturais e educacionais que acontecem ao longo do ano. Olimpíadas de Matemática, por exemplo, são torneios que proporcionam a aplicação do conhecimento e de métodos adequados de pensamento, permitindo que os alunos desenvolvam a habilidade lógica e a criatividade. Além disso, visam à melhoria do ensino da disciplina e incentivam o desafio intelectual de seus participantes.

Na unidade Centro foi realizada, no dia 24 de novembro, a entrega das medalhas e certificados da Olimpíada Internacional Matemática Sem Fronteiras 2017, do Canguru de Matemática Brasil 2017, da 20ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e da 11ª Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG). As premiações foram conferidas aos alunos do 6º ano até o Ensino Médio. Além disso, houve a entrega dos troféus aos alunos de 6º ao 9º Ano que conquistaram 1º e 2º lugares no Prêmio Soletrando (Buchstabierwettbewerb 2017), uma atividade de Língua Alemã do Colégio Cruzeiro.

"Estamos muito felizes com a participação de todos esses alunos do 6º Ano até o Ensino Médio. Incentivamos que eles sempre façam parte desses momentos em que o conhecimento vai sendo absorvido e levado para toda a vida escolar", afirmou Claudia Drummond, Coordenadora do 6º e 7º Anos, que conduziu o evento junto com as Coordenações e Orientações Educacional do Ensino Fundamental e do Ensino Médio.

Em relação a 2016, a premiação do Canguru de Matemática de 2017 teve um aumento significativo no número de estudantes do Colégio Cruzeiro que se inscreveram e que conquistaram uma medalha: foram 155 inscritos e 25 premiados no ano passado e, por sua vez, 202 inscritos e 48 premiados em 2017. Segundo o Professor e Coordenador de Matemática do Ensino Fundamental I e II, Jorge Luiz Gomes dos Santos, a expressiva adesão por parte dos alunos demonstra que eles reconhecem a importância de se desafiar em eventos externos. "As olimpíadas ajudam esses jovens a tomarem decisões. Eles lidam com atividades que acrescentam à trajetória acadêmica deles e achamos muito positivo que façam parte da competição todos os anos", disse.

Em Jacarepaguá houve recorde de alunos que obtiveram bons resultados. No Canguru de Matemática, cerca de 400 alunos participaram da competição. Destes, 126 receberam medalhas entre ouro, prata e bronze. A Coordenadora de Matemática do Ensino Fundamental e Médio da unidade, Bárbara de Freitas, comentou o excelente resultado. "Sem dúvidas, foi esplêndida a participação dos alunos do Colégio Cruzeiro. Conseguimos prepará-los muito bem para a competição, fazendo não somente a correção de exercícios preparatórios, mas com aulas voltadas para isso. E é importante destacar que o empenho e o interesse dos alunos fazem toda a diferença para este desfecho positivo", afirmou.

  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar


Os alunos da unidade Centro conquistaram ao todo 8 medalhas de ouro, 21 de prata e 18 de bronze na 20ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e na 11ª Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG) - campeonatos organizados em maio de 2017 pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e pela Agência Espacial Brasileira (AEB). De acordo com a Professora de Física do 9º Ano ao Ensino Médio, Erica Silvani, os estudantes são estimulados a explorar questões sobre o universo, mas muitos deles naturalmente já têm esse interesse. "Quem compete em eventos como a Olimpíada do Foguete e a Olimpíada de Astronomia são alunos que têm curiosidade de olhar para o céu e imaginar que aquilo é muito maior que nós mesmos. Ao longo do ano oferecemos uma série de atividades como, por exemplo, mesa de debates, experiências, questões interativas, observação de constelações e lançamento de foguetes".

A professora de Física também destaca que os alunos do 6º Ano com interesse pelo tema geralmente dão prosseguimento aos estudos e experimentos nos anos subsequentes e chegam ao 9º Ano com conhecimento aprofundado, dedicação contínua e uma bagagem de quatro participações em olimpíadas. "A participação nas competições faz com que os alunos tenham uma vida acadêmica com portas mais abertas e colabora para que eles tenham outras habilidades, independente de eles usarem isso ou não na carreira. Estou muito orgulhosa do empenho de todos", afirma Erica.

  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar
  • Clique para ampliar


Voltar ao topo